Algumas Métricas de Análise em Redes Sociais

Algumas Métricas de Análise em Redes Sociais

11 de outubro de 2017 Análise Comportamental Análise de Mídias Sociais Análise de Redes Sociais Redes Sociais Social Media 0
métricas

Métricas de Análise em Redes Sociais

métricas

O foco principal da Análise de Redes Sociais – ARS é a análise das relações que os indivíduos estabelecem entre si.
Neste sentido, a ARS dispõe de um conjunto de métricas que auxiliam na compreensão da dinâmica dos relacionamentos existentes nas redes analisadas. Dentre elas, destacam-se as métricas de Centralidade (Centrality), que permitem a avaliação da importância de um nó (individuo/ação/postagem) dentro da rede.

Nesse post verificaremos três Métricas de Centralidade propostas por Freeman (1978), a saber:

1. Centralidade de Grau
2. Centralidade de Intermediação
3. Centralidade de Proximidade.

Além das Métricas de Centralidade, serão verificadas também as Métricas de Autoridade e Grau Ponderado. As definições das mesmas podem ser observadas a seguir:

A. Centralidade de Grau (Degree Centrality): representa o número de ligações que um nó possui, dividido pelo número de ligações possíveis. A Centralidade de Grau de um nó “i” é expressa pela Equação 1:
Equação 1: Degree Centrality
onde aij” indica se existe ligação entre o nó “i” e o nó “j” (se existir, então aij” = 1, caso contrário, aij” = 0) e “n” representa o número de nós dentro da rede. Esta métrica é usada para identificar os nós que têm o maior número de ligações na rede (Chelmis e Prasanna, 2011).
B. Centralidade de Intermediação (Betweenness Centrality): representa a quantidade de vezes que um determinado nó aparece no caminho geodésico entre dois nós da rede, sendo expressa pela Equação 2:

Equação 2:Betweenness Centrality

onde “n” é o número de nós, “gjk” é o número de caminhos mais curtos do nó “j” para o nó “k”, e “gjik” é o número de caminhos mais curtos de nó “j” para o nó “k” que passam pelo nó “i”. Esta métrica permite analisar o potencial de comunicação de um ator dentro da rede (Silva et al 2008).

C. Centralidade de Proximidade (Closeness Centrality): mede o comprimento médio dos caminhos mais curtos de um vértice para cada um dos outros vértices de um grafo. A centralidade de proximidade de um vértice “i” é calculada pela Equação 3.

Equação 3: Closeness Centrality

onde “n” é o número de nós e “eij” é o número de arestas existentes no caminho mais curto do nó “i” para o nó “j”. Esta métrica indica a capacidade de alcance de um nó dentro da rede (Chelmis e Prasanna, 2011).

D. Grau Ponderado (Weighted Degree): É definida por Abbasi e Altmann (2011) como a soma de todos os pesos das arestas ligadas a um nó, sendo expressa pela Equação 4.

Equação 4: Weighted Degree

onde “n” é o número de nós, “wij” representa o peso da aresta entre o nó “i” e o nó “j”, ou seja, representa a quantidade de vezes que os dois nós se relacionaram. Tal métrica evidencia a força das relações entre os atores.

E. Autoridade (Authority): o valor de autoridade é calculado somando-se a quantidade de hubs com o qual o nó em questão está conectado. Seu cálculo é feito através do Algoritmo HITS, proposto por Kleinberg (1998). A Equação 5 descreve como se obtém a autoridade de um nó dentro da rede, onde “h” representa o número de hubs.

Equação 5: Authority

No contexto das redes de colaboração, as métricas mencionadas permitem entender a influência de um (individuo/ação/postagem) dentro de sua rede social de pesquisa. Apesar de existirem diversas outras métricas de ARS, os conceitos acima já proporcionam uma razoável compreensão de uma rede.

 

 

Deixe uma resposta