Livro: A Filosofia explica Bolsonaro de Paulo Ghiraldelli Jr, não vale a leitura.

Olá pessoal, se você gosta de uma boa leitura, ou de um bom livro, já vou orientando. Não comprem esse livro. Pensa em um livro ruim, que não justifica pagar qualquer valor para se ler ou para se ter em sua instante? Bem, é o caso do livro desse senhor, o filósofo e youtuber Paulo Ghiraldelli Jr.

Então, eu gosto de conversar com pessoas inteligentes, e ler livros de pessoas inteligentes. Geralmente eu penso que, um sujeito que estuda cerca de cinco anos em uma faculdade para se formar em filosofia, teria que ter, no mínimo, um pouco de sensatez. Entendo que, nem tudo que pensamos, devemos falar, e mesmo que seja necessário falar, há formas, e formas de falar.

Entendo que uma pessoa deve evitar é fulanizar uma situação, assunto ou tema. Funalizar é um verbo transitivo depreciativo que objetiva dar nomes às pessoas indeterminadas ou cuja identificação não interessa para discutir uma questão. Pois bem, nosso filósofo faz isso o tempo todo em seu pseudo livro.

Ele já começa o livro dizendo: “Estou longe daqueles que dizem que ‘não é para polarizar’. Faço textos para radicalizar, polarizar e criar conflitos. Não faço livros para ter adversários, faço-os para ter amigos e inimigos.” Que ridículo, acho triste um ser humano que pensa assim, a vida não é só isso, a vida não se resume em radicalizar a verdade, o ponto de vista, a esquerda, a direita, ou seja, lá o que for. Estamos cheio desse tipo de discurso, de ódio, de conflito, de desamor, de todos os lados, tanto da esquerda, quando da direita, hoje, talvez, principalmente da direita.

Mas me pergunto, isso justifica o radicalismo de qualquer um dos lados? De ambos os lados? Justifica fulanizar como esse filósofo faz nesse livro. Adjetivando não só o Presidente Bolsonaro mas uma série de pessoas com seu textos duvidosos, mesquinho e pobre de espírito.

Por isso que tenho grande dúvida em relação a todo e qualquer tipo de extremismo, tanto de direita quanto de esquerda. Falta equilíbrio, no falar, no agir, no comportar, no escrever, infelizmente é uma realidade que está aí posta e que estamos sendo obrigado a ver e achar que é natural, que é normal.

Bem, no decorrer de 174 páginas, Ghiraldelli não apresenta absolutamente quase nada sobre filosofia. Há um capítulo para o presidente, para os filhos, para Olavo de Carvalho, para Damares Alves, para Ricardo Salles e até para o MBL.

Anúncios

No entanto, conforme se vai lendo, o desgosto é total e profundo. A tal filosofia não existe. O que se vê são pequenos ensaios do autor sobre o governo. Há observações sobre tudo que tem tomado a presidência da república nos últimos meses e a filosofia, que é bom, nada. A Filosofia Explica Bolsonaro não passa do compilado banal de observações do autor sobre Bolsonaro e parte de sua equipe e ministros.

E algumas dessas observações, são, no mínimo risíveis, conteúdo que seria escrito por pessoas, no mínimo iletradas, sem o mínimo tato com a verdade, são bem exageradas ou fora de tom. Principalmente o capítulo dedicado à deputada Joice Hasselman onde Ghiraldelli insiste em falar repetidamente sobre como ela se posta como uma figura erótica, quase pornográfica, fala sobre seus seios fartos. Pensa em uma ignorância que beira o absurdo, pois bem, é essa funalização de que falo. Eu questiono: para que isso? Qual a finalidade disso? Um completo absurdo. É um monte de bobagem e quase nada útil de fato.

A filosofia em si, prometida no título, é encontrada de fato em dois capítulos: na introdução, na qual Ghiraldelli faz uma interessante explicação sobre o capitalismo que vivemos hoje. E numa conclusão chamada de Excurso. Nesta parte, a filosofia e a teoria se apresentam de uma forma humilde, não mais que isso. Agora, para que serve o restante do livro? Para nada, pode jogar fora!

No livro A Filosofia Explica Bolsonaro, as críticas do autor são levianas, pessoais demais. Fala sobre as bochechas de Paulo Guedes, os seios de Joice Hasselman, o micropênis de Eduardo Bolsonaro. Constatações que não levam a lugar algum no debate. Apenas acirram os ânimos e expõe uma possível falta de argumentos.

O que pude observar afinal que o livro é um amontoado de observações planas e uma psicologia de boteco. Falar que Bolsonaro é assim por conta de algum trauma de infância? Chega a ser infantil. Uma pena. Poderia realmente haver uma explicação filosófica robusta para esse ou aquele comportamento, essa ou aquela atitude, sobre o posicionamento de um estadista, mas infelizmente nem encontramos nada.

Assim, oriento-os que não percam seu tempo com esse livro. Não conheço Ghiraldelli nem sua obra, mas o retrato revelado nesse livro só demonstrou como a esquerda, na pessoa desse filósofo, que se diz de esquerda, está perdida, solapada, sem rumo, completamente imbecilizada por um discurso de ódio, rancor, medo, inveja, fraqueza e pouco intelectualidade, nenhuma empatia e pouca solidez intelectual.